Sábado, 28 de Maio de 2022
(62) 9 84257527
Opinião SEM PERDÃO

Programa Refis de micro e pequenas empresas é vetado por Bolsonaro

MEIS teriam o perdão de multas e encargos e setor acumula dívida de 50 bilhões

11/01/2022 10h46
142
Por: Lorena Lázaro
MEI - Ilustrativa - Reprodução
MEI - Ilustrativa - Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro publicou no Diário Oficial da União desta sexta-feira (07),  veto ao projeto de lei  do chamado Relp (Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional). O setor acumula dívida de R$ 50 bilhões.

 

Um novo REFIS - programa de refinanciamento de dívidas seria criado e previa o parcelamento em até 15 anos das dívidas das micro e pequenas empresas com a União, inclusive de microempreendedores individuais. O setor acumula dívida de R$ 50 bilhões.

 

A justificativa da decisão de Bolsonaro em vetar o Refis seria "por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público", visto que, ao instituir o benefício fiscal, a proposição levaria a uma renúncia de receita sem a previsão de compensação. O veto foi recomendado pelo Ministério da Economia e Advocacia-Geral da União (AGU).

 

Conforme relembra o presidente do SESCON-Goiás, contador e advogado Edson Cândido Pinto, o Congresso Nacional aprovou, em dezembro de 2020, o projeto de Lei que previa um novo Refis para o segmento. “Na época, o texto informava que todas as empresas que tiveram queda na arrecadação no ano passado, em comparação com o ano anterior, seriam beneficiadas, juntamente com as demais que foram afetadas não só pela pandemia”, comenta.

 

O projeto previa o corte de 90% dos juros e de 100% dos encargos. Ainda permitia o pagamento do restante da dívida em até 180 meses. Outro aspecto muito importante de se analisar, é que as empresas optantes pelo Simples Nacional,  que estão em dívida com os tributos, serão desenquadradas do SIMPLES a partir de janeiro de 2022, podendo até dobrar o valor da carga tributária se perder esse enquadramento.

 

Agora, após o veto, as microempresas e os MEIs precisam se articular, principalmente junto às entidades classistas para pressionarem os parlamentares (Deputados Federais e Senadores), para a derrubada do veto presidencial.

 

“Estamos num momento propício para isso (derrubada), é ano eleitoral e a maioria dos parlamentares serão candidatos à reeleição. Essa Lei beneficiaria 98% dos empreendimentos brasileiros, que são as micro e pequenas empresas e os MEIs. Além disso, esse conjunto gera cerca de 70% dos empregos formais do Brasil. É uma força gigantesca, e, se bem articulada, capaz de cobrar dos parlamentares a derrubada do veto”, destaca o presidente do SESCON-Goiás.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias