", }); });
Terça, 25 de Junho de 2024 09:40
(62) 9 84257527
Urbano Policia Local

Pastor condenado por tortura em clínica de reabilitação é solto

Além do casal, outras cinco pessoas foram condenadas a penas que variam entre 2 a 3 anos de prisão

31/05/2024 09h35
Por: Ana Karla Neto de Souza
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

O pastor  ngelo, condenado por tortura em clínica de reabilitação de Anápolis, recebeu liberdade provisória na última quarta-feira (29). Ele e a esposa, Suelen, que eram responsáveis por duas clínicas de reabilitação na cidade,  foram condenados a mais de dez anos de prisão pelos crimes de tortura e cárcere privado.

Segundo a decisão da juíza Sirlei, a liberdade provisória impõe as seguintes condições:

Comparecimento mensal na Justiça;
Proibição de se ausentar da cidade sem prévia autorização judicial;
Comparecimento a todos os atos processuais para os quais for intimado;
Manter o endereço atualizado;
Permanecer em casa das sete horas da noite às seis da manhã;
Entregar o passaporte em 48 horas após a decisão;
Uso de tornozeleira eletrônica.

Continua após a publicidade

Além do casal, outras cinco pessoas foram condenadas a penas que variam entre 2 a 3 anos de prisão. As investigações tiveram inicio quando um senhor de 96 anos conseguiu fugir do local.  ngelo era o único que permanecia preso.

Os responsáveis por gerenciar as clínicas, eram o pastor da Igreja Batista Nova Vida, Klaus, e a esposa dele, a pastora Suellen, que tinha cargo comissionado na prefeitura da cidade de Anápolis, mas foi exonerada.

As pessoas internadas tinham entre 14 e 96 anos, foram resgatadas com graves ferimentos e em estado de desnutrição em uma espécie de “campo de concentração”, em Anápolis. A ação policial ocorreu na terça-feira (29) e prendeu seis pessoas responsáveis pela clínica clandestina – o casal proprietário e quatro funcionários.

As vítimas eram mantidas em cárcere privado e tortura. Os pacientes eram levados de forma involuntária ao local, onde eram trancados mediante pagamento de, no mínimo, um salário mensal. Entres os pacientes estão pessoas com deficiência intelectual e física, além de dependentes químicos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias