Aparecida de Goiânia Humanização

Pacientes do HMAP recebem visita de cavalo da Polícia Militar de Goiás

Equoterapia, abordagem baseada na interação com cavalos, trabalha o fortalecimento muscular, melhoria da postura e coordenação motora, além de proporcionar estímulos sensoriais

02/07/2024 16h47
Por: Redação Fato
assessoria de imprensa do HMAP
assessoria de imprensa do HMAP

Uma visita inusitada e sempre emocionante, especialmente para quem está em tratamento. Assim é descrita a equoterapia, uma intervenção terapêutica que acontece ao menos uma vez por mês, desde outubro de 2022, no Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia – Iris Rezende Machado (HMAP), unidade administrada pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Realizada em parceria com o Regimento de Cavalaria Montada da Polícia Militar de Goiás, essas sessões proprocionam uma série de benefícios físicos, emocionais e psicológicos aos pacientes adultos e crianças.

Continua após a publicidade

 

Como de costume, a égua Mara Rosa e o cavalo Valparaíso chegaram bem cedo ao hospital na quinta-feira, 27 de junho, e logo fizeram a festa dos pacientes. Richard, de 14 anos, está há 10 dias internado e a previsão de alta ocorre na mesma data. Uma despedida e tanto, segundo ele. “Eu nunca andei a cavalo. Vai ser a primeira vez e eu não estou com medo”, se entusiasma o adolescente. Outra paciente que se esbalda com a visita é a Esther, de 6 anos. Assim que desceu do quarto onde já está há 4 dias, abriu um sorriso de orelha a orelha. 

Continua após a publicidade

 

A equoterapia, uma abordagem baseada na interação com cavalos, tem se mostrado eficaz no fortalecimento muscular, melhoria da postura, coordenação motora e equilíbrio dos pacientes. Além disso, a conexão com os animais e a natureza promove o bem-estar emocional, aumenta a autoconfiança e a autoestima por estimular a socialização e o desenvolvimento cognitivo. “O paciente hospitalizado que vem enfrentando uma  doença já tem uma fragilidade emocional importante. Por isso, pequenos gestos fazem toda a diferença no tratamento”, conta Gean Carlos Alves, coordenador multiprofissional do HMAP.

Continua após a publicidade

 

A alternativa terapêutica é mais uma iniciativa de humanização proporcionada a pacientes internados no HMAP desde o início da gestão da unidade pelo Einstein. De outubro de 2022 até maio de 2024, cerca de 400 pacientes já foram beneficiados pela ação. Na visita de hoje, 15 foram contemplados.

 

Gean explica que o paciente passa, inicialmente, por uma avaliação com equipe multiprofissional que envolve a fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia. "Depois dessa triagem inicial, é feita uma nova avaliação, desta vez pela equipe do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, para identificar se o paciente tem algum bloqueio por restrição, por precaução de contato ou precaução por aerossóis”, esclarece. Se não houver nenhuma barreira de segurança, é liberado para participar da visita.

 

Sobre o HMAP – O Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia – Iris Rezende Machado (HMAP) foi inaugurado em dezembro de 2018 e é o maior hospital do Estado feito por uma prefeitura. Administrado pelo Einstein desde de junho de 2022, foi construído numa área superior a 17 mil metros quadrados, onde atua com mais de 1.100 colaboradores para o atendimento de casos de alta complexidade, incluindo hemodinâmica e cirurgia bariátrica, além de várias especialidades cirúrgicas e diagnósticas. A estrutura contempla 10 salas de cirurgia e 235 leitos operacionais, sendo 10 de UTI pediátrica, 39 de UTI adulto, 31 de enfermaria pediátrica, e 155 leitos de clínica médica/cirúrgica.

 

Trata-se da primeira operação de hospital público feita pelo Einstein fora da cidade de São Paulo. Nos primeiros seis meses de gestão, as filas de UTI da unidade foram reduzidas consideravelmente e a capacidade de atendimento dos leitos, dobrada. Já as longas filas de espera para cirurgias eletivas foram diminuídas em menos de um ano, feito alcançado graças a iniciativas como mutirões cirúrgicos, que priorizaram demandas urgentes. O tempo de permanência dos pacientes no hospital também foi reduzido de 9,5 para 5 dias. Em relação à mortalidade, em junho de 2022 a taxa era de 15,33% e, seis meses depois, de 3,6%.

 

Ele1 - Criar site de notícias